Wednesday, October 05, 2005

IDIOSYNCRASIE ÉROTIQUE






Experiência lúgubre, Aníbal, meu encanador, veio consertar meu encanamento. Clichê ou não, Aníbal era de um porte físico magnânimo. Tatuagem grande e colorida em um dos braços, não lembro qual. Acanhado e inibido, marinheiro e trovador, foi ele quem me agarrou, quase travando comigo uma luta corporal, mordiscou todo o meu corpo e lábios e mamilos com uma fúria tal que tive de ceder aos seus (seus?) impulsos. Meu gato (o felino Overdose) preso na cozinha, ouvindo tudo e me odiando por isso. Ele me chamou de beijoqueira no dia 21 de julho, enquanto se vestia e eu me arrastava pedindo mais. Eu havia entrado irrevogavelmente para a vida cristã (safismo em Lesbos, me ocorre agora). Eu estava somente de calcinha, preta, sem rendas, sem brilhos, sem o supérfluo. Uma camisa justa com as costas desnudas. Ele era forte como um cavalo e eu pensei em como a Marieta Severo estava maravilhosa em Laços de Família, título esse, aliás, que eu pensava ter sido furtado a um livro da Clarice Lispector. Será que eu tinha razão? Será que eu sou frígida? Show me your palms.
Aníbal perdeu as estribeiras e me possuiu de maneira violenta. Havia uma patente desproporção entre nós (acidente natural, diria a literatura técnica); nós ouvíamos ‘A Cena do Balé’ do Lago dos Cisnes e eu delirava sobre o Karajan regendo a Filarmônica de Viena: Tchaikovsky por um fio. Talvez encobrisse a minha gritaria, talvez pudesse ser Cocoon, da Björk, mais calma, mais melódica e, no entanto, mais ácida. Who would have known?
Toda concussão, a língua ferida, o sexo cheio de hematomas e esperma (ele não quis esporrar na minha cara dessa vez; na próxima, eu beberei, porra, alma e tudo), as pernas e o rosto luxados, escoriações generalizadas, quatro costelas quebradas, dois dentes a menos, dilaceração do ânus — o médico sorria.
Ele me xingava de puta (ou foi de vaca velha e eu me iludi?) e eu começava a chupar o seu cacete, ele vinha por baixo de mim e eu sentia sua língua, atlética e anti-sedentarismo, sorver toda a seiva que eu ia derramando. Ele me chupava como profissional, eu queria aquilo, eu não resistia, me sentia uma cigana no meio do feno, a boca cheia de palha eventual, Gipsy Kings e todo o resto.
Rasgue a minha roupa, rasgue a minha boca, Aníbal socou seu potente mastro dentro da minha chavasca e eu queria dar o cu. Adoro dar o cu de graça (caio no ópio por força. Lá querer que eu leve a limpo uma vida destas não se pode exigir).
“Me arregaça, fode forte!”, dizia eu. Já havia gozado diversas vezes mas não era hora de parar, ele estava escandalizado e não cessava sua pregação enquanto me fodia. Me criticava veementemente pela vida irregular que eu levava. Eu tinha a classe das vedetes do striptease e queria mais. E mais. E jogava-lhe no rosto minhas peças de indumentária. “Prefiro escorregar nos becos lamacentos, Redemoinhar aos ventos, Como farrapos, arrastar os pés sangrentos, A ir por aí...”, era o que murmurava José Régio, sempre moderno, no meu ouvido lambido. Who is it? Andei continentes e ilhas oceânicas e sem paz, tu, e somente tu, palavra única e dileta, deverás saber: obra do vento e nada mais.
Ele deu uma dentada forte nas macias carnes de meu púbis animado e sem pentelhos e eu berrei. Ah, as nossas travessuras sexuais. O dócil mancebão não se compadecia de mim. Aníbal urrava como um bicho: todos os pecados e orquestras do mundo estavam presentes. Conosco e em nós. Pluto total. Os vizinhos, que já começavam a reparar na sordidez do escândalo, batiam na porta perguntando o que acontecia. Sem resposta e ouvindo os gemidos lancinantes de dor que eu expelia involuntariamente, batiam fortemente e exigiam que a porta fosse aberta. Nossos impulsos afrodisíacos eram, contudo, mais fortes.
Queria que eu mijasse na sua cara, que cagasse no seu pau e na sua barriga bem talhada, e eu pensava na família pobre, no berço roto, no desgosto. Deveria ter nascido na Sibéria, que, ao menor descuido, me congelaria a mão exposta e me prostraria ao pé do fogo, ouvindo uivarem os cães brancos e bondosos, a guarnição única. A Vodka descendo vertiginosamente pela garganta como o infame colostro materno, me vacinando contra todas as doenças póstumas. Talvez eu devesse ser o Bob Burnquist, rodopiando na pista caseira e chutando o skate: aquilo que eles, tentando enfeitar, chamam de flip. Ou, ainda, a Gloria Estefan cantando Reach nas Olimpíadas. Como eu adorava aquela música! Acordava com ela e dormia com ela, me imaginava uma daquelas musculosas e admiráveis irmãs Williams. If I could reach higher.
Aníbal enfiava sua rola dentro de mim, penetrava fuçava remexia bolia babava tirava e botava com bola com tudo, eu desacordada. Sonhava com uma cascata de porra para me lambuzar no ano novo, com o Louis Armstrong vindo me buscar de barca no meio da leptospirose, enquanto cantava What A Wonderful World! e eu carregava comigo um exemplar de 1957 de Os Miseráveis, do Victor Hugo, eu estava no Livro Quinto da Parte Primeira (Fantine), na minha gruta de anacoreta, minha mobília de ampulhetas aladas. Eu, a Leo de La Flor De Mi Secreto, branca como a neve (metáfora gasta mas ainda sugestiva), desmaiada, sangrando pelas minhas partes mais delicadas, Aníbal inocente. Yo, Amanda Gris, grávida de todos los niños del mundo, como la mais burra de las arañas tropicales, dançando pela vida sem música, chacoalhando a cabeça sem Prozac. “Meu dia chegará”, pensava comigo mesma, os dentes soltos no mundo, a barriga doada y as dívidas sem perdão.
No começo a gente rebola um pouco e depois perde a paciência. Eu gosto de pau grande, cabeçudo. Gosto de homem loiro, o pau rosa, a boca rosa, a vida rosa. Quero perpetuar a espécie, quero a descendência caucasiana, chega de sofrimento. Chego a admitir transar com um judeu e gozar em sua boca. As crianças von Trapp, infernais, em redor, e eu subindo em árvores (one of my favourite things). Cansei de ser sexy, as meninas têm razão. A Madonna caiu do cavalo, o que mais nos aguarda?
“My heart was so broken. It was in pieces...” e ainda está. O fígado, dizia Galeno, era o centro do sistema sangüíneo, onde o alimento era misteriosamente transformado em “espíritos naturais”. O coração era uma desnatadeira e uma fornalha.
— Preciso que me salvem.
Dois na bosta, Aníbal e eu. Aníbal é casado. Cansado da esposa (lar, doce lar: o cheiro de fritura sempre vence). Só posso estar com Aníbal até as seis da tarde ou. Cortem-lhe a cabeça! Oh, pobre pequeno Lewis a bolinar criancinhas. Como Michael Jackson. Realmente Thriller. Eu brigava com uma ex-amiga e tentava demovê-la de gostar do Michael Jackson, ela era negra. Jamais conseguiria. Iguais se atraem. Deus foi feito à minha imagem e semelhança: nós dois temos um Papa nazista. Onde estará o Führer? Where’d be the Boss?
Não tenho nenhum valor literário mas minhas palavras são boas para quem quer tocar uma punhetinha ligeira e descompromissada. O donzelo Felisbelo da Silva que o diga, com todas as suas Liberdades Sexuais! Bom mesmo é gozar na cara do chefe, três, quatro, cinco vezes. Levar uns tapas no rabo, dedada no cu, pintada na cara. Adoro aquela dorzinha de tanto fazer amor (fazer amor??? Pelo amor de Deus...) Quando você tenta fechar o músculo mas já não consegue, o pau continua entrando, à sua revelia. Enlouqueço. Assumo minha ninfomania sagrada, dou para qualquer um, religioso ou não. Na rua, na chuva, na fazenda. Ainda não tentei nenhuma casinha de sapê, é preciso que se diga. Big deal.
Horas depois, Aníbal foi preso e processado; mas a Justiça o absolveu, levando em consideração a sua não culpabilidade, pois que tudo ocorrera — não coerente com violência física ou grave ameaça — , mas em virtude da desproporção (eu amo as desproporções e os despropósitos) entre nossas constituições, compleições, idiossincrasias físicas. Não houve sadismo nem nada disso. Eu era frágil demais para ele, tão másculo e tantas proporções anormais.
Fiquei caída no chão, ensangüentada, meretriz de um homem só. Precisaram me levar para o hospital. Passei a amar Aníbal. Meu nome é Amor, sou feliz sem dinheiro.

2 comments:

Shania said...

Your blog, It's terrific . If you ever need any printing done, I'm sure you'd be interested in Business Cards Try Business Cards

Diego said...

léo, isso ficou muito bom.